domingo, 14 de outubro de 2018

Mano-a-Mano GW08 (1º RUI 'ZÉ' RODRIGUES vs. MÁRIO GARRIDO 36º)

Eis o Quadro de Resultados de todos os Duelos desta Jornada 08 da MANO-A-MANO:



Ora vamos então passar, como é habitual a uma Mini-Análise:

Na GW08 não se registou qualquer empate entre os diversos players.
 O resultado mais desnivelado ocorreu entre o TONI CORREIA  e o 'ZÉ' FILIPE ALMEIDA, 74-32 (42 pts de diferença). Outro resultado que merece destaque foi o que teve lugar entre o ROBERTO PINHO e o SIMÃO PINHO, em que o Cunhado do Técnico do 'BrancoAsCores' derrotou o Treinador do 'Sp team' por 68 vs. 29 (39 pts de diferença).
O resultado mais tangencial ocorreu com o PAULO GOMES 'VICENTE' a vencer o MIGUEL BRANDÃO à tangente, 65 vs. 64, esta vitória foi apenas pela margem mínima.
A Vitória com a pontuação mais baixa (36 pts), coube ao jovem DINIS BRANDÃO que conseguiu derrotar o MÁRIO GARRIDO por 36 vs. 31.
A pior pontuação nesta Gameweek 8 foi registada por dois Treinadores, foram eles 'ZÉ' LUÍS VIEIRA e AA MATOS, que não conseguiram mais do que 29 pts.



A Classificação está ordenada da seguinte maneira:





Classificação é agora liderada por RUI 'ZÉ' RODRIGUES que venceu o seu duelo frente ao 'ZÉ' MÁRIO BRANDÃO 84 VS. 64, enquanto o PAULO J BRANDÃO perdeu com o RUI GARRIDO 75 vs. 57.
Por isso RUI 'ZÉ' RODRIGUES comanda a Classificação com 18 pts, segue-se agora o  RICARDO ALMEIDA com 16 pts.

O 3º lugar é ocupado em ex-aequo por 4 players, são eles: PAULO J BRANDÃO, 'BRUNITO' BRANDÃO, FRANCISCO COSTA e ROBERTO PINHO, todos com 15 pts.

MIGUEL TEIXEIRA,  e PEDRO OLIVEIRA, ambos com 13 pts, são os senhores que se seguem.

Na cauda da Classificação continua o trio da desgraça composto por: SIMÃO PINHO, 'TONO' GARRIDO e MÁRIO GARRIDO, todos com 3 pts (fruto de uma vitória e seis derrotas) em 7 jogos.
Na 36ª e última posição da Tabela encontra-se ainda MÁRIO GARRIDO com 3 pontos e 235 pts internos (um pouco menos que os seus colegas do fim do pelotão).


Os próximos duelos serão os seguintes:


sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Antevisão da Jornada 07




A 7.ª ronda da Liga NOS traz-nos o super clássico Benfica vs FC Porto. Com os dragões na frente e um histórico recente claramente favorável aos do norte, o Benfica quer inverter a tendência. Mas há outro jogo grande: o Braga vs Rio Ave coloca frente a frente as duas equipas em melhor forma, com 12 e 10 pontos conquistados nas últimos quatro rondas. E além destes dois, a jornada está recheada de confrontos equilibrados e imprevisíveis.
CD Tondela vs CD Nacional


Sexta 5, 15h30
Separados por 1 ponto na tabela, a favor do Tondela, este é um duelo que se prevê equilibrado. Tanto os da casa como o Nacional têm registo igual nestas condições: Tondela tem três jogos em casa e experimentou os três tipos de resultados e o Nacional está na mesma situação com os três jogos feitos fora. O histórico de confrontos, curto, mantém o equilíbrio: cinco jogos, duas vitórias para cada e um empate (este na Taça da Liga). A equipa da casa ganha sempre na Liga, mas o equilíbrio é o mote.


Tondela e Nacional enfrentam‑se no Estádio João Cardoso, num encontro para a 7ª jornada da Primeira Liga. O historial de confrontos diretos disputados neste estádio favorece a equipa da casa, que nos últimos 3 jogos ganhou 2 e empatou 1. De facto, no último confronto neste estádio, para a Primeira Liga, a 22‑04‑2017, o Tondela ganhou por (2‑0). Os golos do Tondela foram marcados por Jaílson (63' ) e Y. Osorio (76' ).


Análise do Tondela

Depois de 1 vitória, 2 empates e 3 derrotas, a equipa da casa está na 13ª posição, tendo conquistado 5 pontos. No último jogo, perdeu com o Porto fora por (1‑0), depois de no jogo anterior ter ganho (2‑0) em casa, num jogo contra o Moreirense. Nos últimos 10 jogos disputados em casa para todas as competições, o Tondela ganhou 4, empatou 3 e perdeu 3. A solidez defensiva não tem sido o seu ponto forte, já que sofreu golos em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição.


O Tondela entra neste jogo desmotivado depois de um desaire forasteiro, por 1-0, na deslocação ao terreno do Porto. O conjunto da casa costuma atuar num 4-3-3, onde os três homens responsáveis por lançar o pânico na defensiva adversária são Xavier, Murillo e Tomané. Apesar de ser uma equipa com algumas debilidades, adivinha-se que o Tondela adote uma postura mais ofensiva, com o objetivo de tentar chegar ao primeiro golo do encontro. O treinador Pepa não vai poder contar com Nego Tembeng e Patrick por se encontrarem lesionados. 

Onze titular confirmado: Cláudio Ramos, Icaro, Joãozinho, Ricardo Costa, David Bruno, S. Peña, Bruno Monteiro, J. Murillo, Hélder Tavares, António Xavier, Tómané.

Treinador: Pepa.


Análise do Nacional

A equipa visitante está atualmente na 17ª posição, com 4 pontos conquistados, depois de 1 vitória, 1 empate e 4 derrotas. No penúltimo jogo, empatou fora contra o Feirense por (0‑0). No último jogo, perdeu em casa contra o Santa Clara por (0‑3). Nos últimos 10 jogos como visitante o Nacional ganhou 6, empatou 2 e perdeu 2. A solidez defensiva não tem sido o seu ponto forte, já que sofreu golos em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição.


O Nacional entra neste encontro desmotivado depois de uma derrota caseira, por 0-3, na receção ao Santa Clara. O conjunto visitante apresenta menos argumentos individuais para esta partida, assim, por estar a atuar fora de portas, adivinha-se que poderá ter mais cautelas com o objetivo de não sofrer o primeiro golo. De salientar que o Nacional somou apenas quatro pontos, fora de portas, desde o início do campeonato. O cérebro da equipa forasteira é o português Jota, jogador responsável por definir e conduzir as investidas da sua equipa. O técnico do Nacional deverá ter todos os jogadores à sua disposição. 

Onze titular confirmado: Lucas França, Mauro Cerqueira , Felipe Lopes, Julio, Kalindi, Vítor Gonçalves, F. Tissone, A. Paločević, K. Gorré, Witi, B. Rochez.

Treinador: Costinha.






Sta. Clara vs GD Chaves

Sexta 5, 18h00
Mais um jogo de equilíbrio: Sta. Clara e Chaves também estão separados por 1 ponto, com vantagem para os açorianos. A equipa da casa tem uma vitória, um empate e uma derrota nos três jogos caseiros, mas os golos são o destaque: oito marcados e outros tantos sofridos. O bom desempenho atacante tem sido acompanhado por fragilidades defensivas. O Chaves só venceu uma vez fora e perdeu duas. Os últimos confrontos dão vantagem aos flavienses, que venceram dois, perderam um e empataram dois.


Santa Clara e Chaves medem forças no Estádio de São Miguel, num jogo para a 7ª jornada da Primeira Liga. O historial de confrontos diretos disputados neste estádio favorece a equipa da casa, que nos últimos 3 jogos ganhou 1 e empatou 2. De facto, no último confronto neste estádio, para a Taça de Portugal, a 19‑11‑2017, o Santa Clara ganhou por (2‑0). Os golos do Santa Clara foram marcados por Fernando (19' ) e Vitor Alves (23' ). É necessário analisar com atenção especial a condição casa/fora, pois o Santa Clara apresenta resultados diferentes em casa e fora.


Análise do Santa Clara

A equipa da casa está atualmente na 8ª posição, com 8 pontos conquistados, depois de 2 vitórias, 2 empates e 2 derrotas. No penúltimo jogo, perdeu em casa contra o Rio Ave por (1‑3). No último, ganhou fora contra o Nacional por (0‑3). Esta é uma equipa mais forte quando joga no seu estádio, pois nos últimos 30 jogos regista 4 vitórias, 6 empates e 5 derrotas como visitante; contra 9 vitórias, 5 empates e 1 derrota no seu estádio. Nos últimos 10 jogos em casa o Santa Clara regista 7 vitórias, 2 empates e 1 derrota. A equipa permitiu golos ao adversário em 5 dos últimos 6 jogos, pelo que não tem apresentado grande solidez defensiva, mas o seu ataque tem marcado regularmente, já que conseguiu concretizar em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição. Nos últimos 4 jogos em casa para todas as competições há 2 períodos que se destacam: marcou 4 dos seus 8 golos entre os minutos (46'‑60'); sofreu 3 dos seus 8 golos entre os minutos (61'‑75').


O Santa Clara entra neste jogo completamente motivado depois de um triunfo forasteiro, por 0-3, na deslocação à arena do Nacional: os golos foram marcados por Pineda, Fernando e Rashid. O conjunto da casa costuma atuar num 4-3-3, onde os três homens responsáveis por lançar o pânico na defensiva adversária são Pineda, Fernando e Stephens. Apesar de atuar frente a um adversário de qualidade, adivinha-se que o Santa Clara adote uma postura mais ofensiva, com o objetivo de tentar somar pelo menos um ponto. O treinador João Henriques não vai poder contar com Thiago Santana devido a lesão. 

Onze titular confirmado: Marco Pereira, Fábio Cardoso, Patrick, César, Mamadu Candé, Bruno Lamas, Osama Rashid, Anderson Carvalho, A. Stephens, D. Pineda, Fernando.


Análise do Chaves

A equipa visitante está atualmente na 10ª posição, com 7 pontos conquistados, depois de 2 vitórias, 1 empate e 3 derrotas. No penúltimo jogo, ganhou fora contra o Boavista por (1‑2). No último jogo, empatou em casa contra o Benfica por (2‑2). Esta é uma equipa pouco afetada pelo fator casa, isto é, apresenta resultados semelhantes em casa e fora, já que nos últimos 30 jogos regista 5 vitórias, 3 empates e 7 derrotas como visitante, com um total de 21 golos marcados e 27 sofridos; contra 5 vitórias, 5 empates e 5 derrotas no seu estádio, com um total de 18 golos marcados e 17 sofridos. Nos últimos 10 jogos como visitante o Chaves ganhou 4, empatou 2 e perdeu 4. A solidez defensiva não tem sido o seu ponto forte, já que sofreu golos em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição.


O Chaves entra nesta atuação depois de um empate em casa, a 2-2, na receção ao Benfica: os dois tentos da equipa foram marcados por Ghazaryan. Ainda assim, importa salientar que os visitantes apresentam um dos piores registos fora de portas, com apenas 3 pontos conquistados em 3 jogos realizados. Espera-se que o clube forasteiro atue num sistema tático em 4-3-3, onde os três intervenientes mais avançados são Niltinho, Perdigão e William. Uma das melhores valências da formação do Chaves é a facilidade com que conseguem aproveitar o espaço nas costas da linha defensiva adversária. Ao que tudo indica o técnico tem em dúvida Bressan, Maras e Marcão. 

Onze titular confirmado: Ricardo Nunes, N. Maraš, Paulinho, Marcão Teixeira, Djavan Ferreira, G. Ghazaryan, Bruno Gallo, Stephen Eustáquio , Perdigão, Niltinho, William.






CD Feirense vs Os Belenenses

Sexta 5, 20h30

O Feirense ainda não perdeu em casa na Liga, mas o Belenenses ainda não perdeu fora. Adivinharam: mais um duelo equilibrado e imprevisível. Os jogadores em melhor forma das duas equipas são quase todos do sector recuado, o que também evidencia algumas lacunas no ataque. Os últimos confrontos dão vantagem aos lisboetas, que venceram três vezes e só perderam e empataram uma, desde 2016.



Feirense e Belenenses enfrentam‑se no Estádio Marcolino de Castro, num encontro para a 7ª jornada da Primeira Liga. O historial de confrontos diretos recentes é favorável à equipa visitante, que regista 3 vitórias, 1 empate e 1 derrota nos últimos 5 jogos. O último confronto direto entre estas duas equipas, a 24‑02‑2018, terminou com a vitória do Belenenses por (1‑0). Neste encontro o fator casa poderá ter um papel importante, já que ambas as equipas apresentam diferenças significativas nos resultados conquistados em casa e como visitante.


Análise do Feirense

Depois de 2 vitórias, 2 empates e 2 derrotas, a equipa da casa está na 9ª posição, tendo conquistado 8 pontos. No último jogo, perdeu com o Moreirense fora por (1‑0), depois de no jogo anterior ter empatado (0‑0) em casa, num jogo contra o Nacional. Esta é uma equipa afetada pelo fator casa, mais forte quando joga com o apoio dos seus adeptos, já que nos últimos 30 jogos regista 3 vitórias, 1 empate e 11 derrotas como visitante, com 10 golos marcados e 22 sofridos; contra 6 vitórias, 4 empates e 5 derrotas no seu estádio, com 22 golos marcados e 15 sofridos. Nos últimos 10 jogos em casa o Feirense regista 5 vitórias, 3 empates e 2 derrotas.


O Feirense entra neste jogo desmotivado depois de um desaire forasteiro, por 1-0, na deslocação ao terreno do Moreirense. O clube da casa costuma atuar num tradicional 4-3-3, onde os três intervenientes mais avançados são Luís Machado, Edinho e Sturgeon. O jogador responsável por definir e conduzir as investidas do seu conjunto é o brasileiro Rafael Crivellaro, sendo que a sua melhor qualidade é a visão de jogo. O técnico Nuno Manta Santos deverá poder contar com todos os intervenientes para este embate. 

Onze titular confirmado: Caio Secco, A. Briseño , Philipe Sampaio, Vítor Bruno, Tiago Mesquita, Babanco, Cris, Tiago Silva, Edinho, Paraiba, Sturgeon.

Treinador: Nuno Santos.


Análise do Belenenses

Depois de 1 vitória, 3 empates e 2 derrotas, a equipa visitante está na 12ª posição, tendo conquistado 6 pontos. No último jogo, perdeu com o Braga em casa por (0‑3), depois de no jogo anterior ter empatado fora, num jogo contra o Marítimo, por (0‑0). Esta é uma equipa afetada pelo fator casa, mais forte quando joga com o apoio dos seus adeptos, já que nos últimos 30 jogos regista 1 vitória, 5 empates e 9 derrotas como visitante, com um total de 10 golos marcados e 22 sofridos; contra 4 vitórias, 5 empates e 6 derrotas no seu estádio, com um total de 20 golos marcados e 24 sofridos. Nos últimos 10 jogos disputados fora para todas as competições, o Belenenses ganhou 2, empatou 2 e perdeu 6. Nos seus jogos fora há uma tendência para poucos golos, já que em 18 dos últimos 26 que disputou houve menos de 3 golos.


O Belenenses entra nesta atuação desmotivado depois de um desaire caseiro, por 0-3, na receção ao Braga. O Belenenses costuma atuar num tradicional 4-3-3, privilegiando as transições rápidas, sendo que, neste desenho, os três homens mais avançados são Keita, Licá e Fredy. Uma das melhores valências da formação visitante é a facilidade com que conseguem finalizar as oportunidades de que dispõe. O técnico forasteiro não vai poder contar com Diogo Viana, Tiago Caeiro e Merlin Tandjigora por se encontrarem lesionados. 

Onze titular confirmado: Muriel, Gonçalo Silva, P. Sagna, V. Sasso, Reinildo, Dálcio, Nuno Coelho, Jonatan, A. Keita, Licá, Fredy.

Treinador: Silas.



Vitória FC vs Moreirense FC

Sábado 6, 15h30
Depois do empate arrancado em Guimarães, o Vitória sadino regressa a Setúbal, onde já perdeu duas vezes e só ganhou uma. Os sadinos estão a ter um arranque muito modesto, com apenas 5 pontos em seis jogos. O visitante Moreirense está ligeiramente melhor, mas o registo fora de portas também não é famoso. O histórico recente é favorável ao Vitória, mas por pouco: dois triunfos dos sadinos, um do Moreirense e dois empates. O factor casa pode ser importante.

Vitória de Setúbal e Moreirense enfrentam‑se no Estádio do Bonfim, num encontro para a 7ª jornada da Primeira Liga. Neste estádio, o historial de confrontos diretos é favorável à equipa da casa, que regista 2 vitórias, 1 empate e 1 derrota nos últimos 4 jogos. No entanto, a última vez que se encontraram neste estádio foi a 06‑08‑2017, num jogo para a Primeira Liga, que acabou num empate por (1‑1). Os golos do encontro foram marcados por Edinho (13' ) para o Vitória de Setúbal e por R. Peña (83' ) para o Moreirense. Neste encontro o fator casa poderá ter um papel importante, já que o Vitória de Setúbal apresenta diferenças significativas nos resultados conquistados em casa e como visitante.


Análise do Vitória de Setúbal

A equipa da casa está atualmente na 14ª posição, com 5 pontos conquistados, depois de 1 vitória, 2 empates e 3 derrotas. No penúltimo jogo, perdeu em casa contra o Porto por (0‑2). No último, empatou fora contra o Guimarães por (1‑1). Esta é uma equipa afetada pelo fator casa, mais forte quando joga com o apoio dos seus adeptos, já que nos últimos 30 jogos regista 3 vitórias, 6 empates e 6 derrotas como visitante, com 23 golos marcados e 32 sofridos; contra 8 vitórias, 3 empates e 4 derrotas no seu estádio, com 19 golos marcados e 14 sofridos. Nos últimos 10 jogos disputados em casa para todas as competições, o Vitória de Setúbal ganhou 5, empatou 1 e perdeu 4. 


Para esta competição, não ganhou nenhum dos últimos 5 jogos.

O Vitória de Setúbal entra nesta jornada depois de um empate forasteiro, a uma bola, na visita ao terreno do Guimarães. O conjunto caseiro costuma atuar num sistema tático em 4-3-3, dando mais importância às transições rápidas e a um estilo de jogo mais ofensivo. Neste desenho, os três homens responsáveis por lançar o pânico na área do “inimigo” são Hildeberto, Mendy e Costinha. O treinador caseiro deverá ter todos os intervenientes disponíveis para este embate. 

Onze titular confirmado: Joel Castro, Vasco Fernandes, Mano, Dankler, Nuno Pinto, Éber, Hildeberto Pereira, Semedo, M. Agu, Costinha, Frédéric Mendy.

Treinador: Lito Vidigal.


Análise do Moreirense

A equipa visitante está atualmente na 11ª posição, com 7 pontos conquistados, depois de 2 vitórias, 1 empate e 3 derrotas. No penúltimo jogo, perdeu fora contra o Tondela por (2‑0). No último jogo, ganhou em casa contra o Feirense por (1‑0). Esta é uma equipa que mantém o rendimento quando joga fora do seu estádio, pois nos últimos 30 jogos regista 4 vitórias, 2 empates e 9 derrotas como visitante; contra 5 vitórias, 3 empates e 7 derrotas no seu estádio. Nos últimos 10 jogos como visitante o Moreirense ganhou 3, empatou 1 e perdeu 6. A solidez defensiva não tem sido o seu ponto forte, já que sofreu golos em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição.


O Moreirense entra nesta atuação motivado depois de uma vitória caseira, por 1-0, na receção ao Feirense: Nenê, ao minuto 74’, carimbou aquele que viria a ser o único golo da partida. Espera-se que o Moreirense atue num sistema tático em 4-3-3, onde os três intervenientes mais avançados são Rodríguez, Nenê e Aouacheria. Uma das melhores valências da formação forasteira é a facilidade com que conseguem finalizar as oportunidades de que dispõe. Ao que tudo indica o técnico forasteiro não vai poder contar com João Aurélio por se encontrar lesionado. 

Onze titular confirmado: Jhonatan, Ivanildo Fernandes, A. D'Alberto, R. Halliche, Ruben Lima, Heriberto Tavares, Pedro Nuno, M. Ndiaye, Neto, Nenê, Arsénio.




Marítimo M vs Vitória SC

Sábado 6, 18h00
Embora não vença há duas jornadas, o Marítimo está a ter um bom início de campeonato e quer um triunfo neste regresso aos Barreiros, onde ainda não perderam. Pela frente, os insulares terão um Vitória SC que tarda em afinar o seu jogo. Também não vencem há dois jogos e na semana passada cederam um empate amargo contra o outro Vitória. Os minhotos sofrem muitos golos fora de casa, mas também os marcam. Os confrontos recentes dão nota de equilíbrio: duas vitórias para cada lado e um empate.


Marítimo e Guimarães enfrentam‑se no Estádio dos Barreiros, num encontro para a 7ª jornada da Primeira Liga. Neste estádio, o historial de confrontos diretos é favorável à equipa da casa, que regista 4 vitórias e 1 derrota nos últimos 5 jogos. Efetivamente, a última vez que se enfrentaram neste estádio foi a 24‑02‑2018, num jogo para a Primeira Liga, que acabou com a vitória do Marítimo por (3‑2). Os golos do encontro foram marcados por Valente (13' ), Pablo (22' ) e Joel (26' ) para o Marítimo e por P. Hurtado (15' e 70' ) para o Guimarães. Neste encontro o fator casa poderá ter um papel importante, já que ambas as equipas apresentam diferenças significativas nos resultados conquistados em casa e como visitante.


Análise do Marítimo

A equipa da casa está atualmente na 6ª posição, com 10 pontos conquistados, depois de 3 vitórias, 1 empate e 2 derrotas. No penúltimo jogo, empatou em casa contra o Belenenses por (0‑0). No último, perdeu fora contra o Sporting por (2‑0). Esta é uma equipa mais forte quando joga no seu estádio, pois nos últimos 30 jogos regista 2 vitórias, 3 empates e 10 derrotas como visitante; contra 10 vitórias, 2 empates e 3 derrotas no seu estádio. Nos últimos 10 jogos disputados em casa para todas as competições, o Marítimo ganhou 7, empatou 1 e perdeu 2. Nos últimos 5 jogos em casa para todas as competições há 1 período que se destaca: marcou 4 dos seus 6 golos entre os minutos (76'‑90').


O Marítimo entra nesta partida desmotivado depois de uma derrota forasteira, por 2-0, na deslocação ao terreno do Sporting. De salientar que o clube da casa parece estar numa má forma, já que não venceu nenhum dos últimos três jogos. Uma das melhores valências da formação caseira é a facilidade com que conseguem finalizar as oportunidades de que dispõe. O Marítimo costuma atuar num 4-3-3, privilegiando as transições rápidas, pelo que, neste desenho, os três homens mais avançados são Barrera, Rodrigo Pinho e Fabrício Baiano. O treinador Cláudio Braga deverá ter todos os intervenientes disponíveis para esta jornada. 

Onze titular confirmado: A. Abedzadeh, Zainadine Junior, Bebeto, Lucas Áfrico, Fábio China , Danny, J. Correa, Jean Cleber, Fabricio Baiano, Rodrigo Pinho, Joel.


Análise do Guimarães

Depois de 2 vitórias, 1 empate e 3 derrotas, a equipa visitante está na 7ª posição, tendo conquistado 9 pontos. No último jogo, empatou com o Vitória de Setúbal em casa por (1‑1), depois de no jogo anterior ter perdido fora, num jogo contra o Portimonense, por (3‑2). Esta é uma equipa afetada pelo fator casa, mais forte quando joga com o apoio dos seus adeptos, já que nos últimos 30 jogos regista 2 vitórias, 2 empates e 11 derrotas como visitante, com um total de 26 golos marcados e 35 sofridos; contra 8 vitórias, 4 empates e 3 derrotas no seu estádio, com um total de 18 golos marcados e 11 sofridos. Nos últimos 10 jogos como visitante o Guimarães ganhou 2, empatou 1 e perdeu 7. A equipa permitiu golos ao adversário em 5 dos últimos 6 jogos, pelo que não tem apresentado grande solidez defensiva, mas o seu ataque tem marcado com regularidade, já que conseguiu concretizar em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição. Nos seus jogos fora há uma tendência para haver golos, já que 18 em 22 terminaram com Mais de 2,5 golos no marcador. Há 2 períodos em destaque nos últimos 4 encontros disputados como visitante para todas as competições: marcou 5 dos seus 7 golos entre os minutos (76'‑90'); sofreu 3 dos seus 8 golos entre os minutos (31'‑45').


O Guimarães entra nesta jornada depois de um empate caseiro, a uma bola, na receção ao Setúbal. O clube visitante, tal como o “inimigo” desta ronda, costuma atuar num sistema tático em 4-3-3, privilegiando as transições rápidas. De destacar que, neste desenho, os três homens mais avançados são Ola John, Davidson e Alexandre Guedes. Quando investe no processo ofensivo, normalmente, fá-lo através do corredor esquerdo, aproveitando a profundidade oferecida pelo defesa lateral Rafa Soares. O treinador Luís Castro não deverá poder contar com Welthon e Óscar Estupiñán por se encontrarem lesionados. 

Onze titular confirmado: Douglas Jesus, Y. Osorio, F. Sacko, Pedrão, Rafa, Tozé, André André, A. Wakaso, Alexandre Guedes, O. John, Davidson.



SC Braga vs Rio Ave FC

Sábado 6, 20h30
O jogo grande da jornada é o clássico Benfica vs Porto, mas este Braga vs Rio Ave é o jogo entre as duas equipas em melhor forma. Os bracarenses venceram os últimos quatro jogos e o Rio Ave venceu os últimos três. Com a liderança garantida na jornada passada, o Braga é uma equipas que ainda só conhece o sabor da vitória a jogar em casa (o Rio Ave e o Sporting são as outras). Apesar de este Rio Ave ter vindo a demonstrar qualidade, o Braga é favorito. Ainda assim, o histórico recente é favorável ao Rio Ave: quatro vitórias contra uma do Braga nos últimos cinco confrontos.

Braga e Rio Ave enfrentam‑se no Estádio Municipal de Braga, num encontro para a 7ª jornada da Primeira Liga. O historial de confrontos diretos disputados neste estádio favorece a equipa da casa, que nos últimos 9 jogos ganhou 5, empatou 2 e perdeu 2. De facto, no último confronto neste estádio, para a Primeira Liga, a 06‑01‑2018, o Braga ganhou por (2‑1). Os golos do jogo foram marcados por Ricardo Horta (19' ) e Fábio Martins (83' ) para o Braga e por João Novais (42' ) para o Rio Ave. Neste encontro o fator casa poderá ter um papel decisivo, pois o Rio Ave tem apresentado diferenças de rendimento nos seus jogos em casa e como visitante.


Análise do Braga

A equipa da casa está atualmente na 1ª posição, com 16 pontos conquistados, depois de 5 vitórias e 1 empate. No penúltimo jogo, ganhou em casa contra o Sporting por (1‑0). No último, ganhou fora contra o Belenenses por (0‑3). Esta é uma equipa que mantém o rendimento quando joga fora do seu estádio, pois nos últimos 30 jogos regista 10 vitórias, 4 empates e 1 derrota como visitante; contra 11 vitórias, 3 empates e 1 derrota no seu estádio. Nos últimos 10 jogos em casa o Braga regista 7 vitórias, 2 empates e 1 derrota. 


Para esta competição, não perdeu nenhum dos últimos 6 jogos. O seu ataque tem marcado com grande regularidade, já que marcou sempre pelo menos um golo nos últimos 6 jogos para esta competição. Esta é uma equipa que marca muitas vezes primeiro: abriu o marcador em 7 dos seus últimos 9 jogos, desses 7 chegou ao intervalo em vantagem em 3 e conseguiu manter a vantagem até ao final dos 90’ em 4. Há 1 período em destaque nos últimos 6 encontros disputados em casa para todas as competições: marcou 5 dos seus 12 golos entre os minutos (61'‑75').

O Braga entra neste embate depois de um triunfo forasteiro, por 0-3, na deslocação ao terreno do Belenenses: os golos foram assinados por Wilson Eduardo (2) e Ricardo Horta. O clube bracarense está consciente que o adversário desta ronda tem menos qualidade, e por essa razão, adivinha-se que entre no encontro confiante e à procura do golo desde o apito inicial. Antevê-se que os avançados escolhidos pelo técnico Abel Ferreira para esta partida sejam Dyego Sousa e Wilson Eduardo, sendo o primeiro o melhor marcador com 5 golos assinados. O treinador dos caseiros não vai poder contar com Xadas e Raúl Silva por se encontrarem lesionados. 

Onze titular confirmado: Tiago Sá, Bruno Vianna , Marcelo Goiano, Pablo, Sequeira, Ricardo Esgaio, Ricardo Horta, João Novais, Claudemir, Dyego Sousa, Wilson Eduardo.

Treinador: Abel Ferreira.


Análise do Rio Ave

A equipa visitante está atualmente na 5ª posição, com 13 pontos conquistados, depois de 4 vitórias, 1 empate e 1 derrota. No penúltimo jogo, ganhou fora contra o Santa Clara por (1‑3). No último jogo, ganhou em casa contra o Boavista por (2‑1). Esta é uma equipa afetada pelo fator casa, mais forte quando joga com o apoio dos seus adeptos, já que nos últimos 30 jogos regista 3 vitórias, 3 empates e 9 derrotas como visitante, com um total de 11 golos marcados e 26 sofridos; contra 11 vitórias e 4 empates no seu estádio, com um total de 31 golos marcados e 13 sofridos. Nos últimos 10 jogos como visitante o Rio Ave ganhou 3, empatou 3 e perdeu 4. A equipa não tem estado muito forte defensivamente, pois sofreu sempre golos nos últimos 6 jogos, mas o seu ataque tem marcado com regularidade, já que conseguiu concretizar em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição. Em 10 jogos, sofreu o primeiro golo 5 vezes e apenas conseguiu 1 reviravolta.


O Rio Ave entra nesta jornada motivado depois de um triunfo caseiro, por 2-1, na receção ao Boavista: Carlos Vinícius marcou os dois golos da vitória. O clube visitante costuma atuar num sistema tático em 4-2-3-1, privilegiando as transições rápidas. Neste desenho, os três intervenientes responsáveis por lançar o pânico na área adversária são Galeno, Coentrão e Carlos Vinícius. Por outro lado, Diego Lopes é o cérebro da equipa, sendo que este jogador é responsável para definir e conduzir as investidas ofensivas do conjunto forasteiro. O técnico José Gomes pode contar com os habituais jogadores. 

Onze titular confirmado: Leonardo, T. Borevković, Nadjack, Jonathan Buatu, Matheus Reis, Fábio Coentrão, Diego Lopes, João Schmidt, N. Jambor, Gelson, Galeno.



Boavista FC vs CD Aves

Domingo 7, 15h00
Numa jornada recheada de confrontos equilibrados, este é um dos mais iguais. Boavista e Aves pertencem ao lote dos piores da Liga, com apenas 4 pontos. Em termos de forma, o Boavista está pior porque vem de três derrotas, enquanto que o Aves vem de um triunfo, o primeiro da época. Se o Boavista ainda só tem derrotas em casa, o Aves também só tem derrotas fora. Como não podem perder ambos, pode dar empate. Nos últimos anos, o histórico é favorável ao Aves, com três vitórias, uma derrota e um empate.


Boavista e Aves medem forças no Estádio do Bessa Século XXI, num jogo para a 7ª jornada da Primeira Liga. O historial de confrontos diretos recentes é favorável à equipa visitante, que regista 2 vitórias e 1 derrota nos últimos 3 jogos. O último confronto direto entre estas duas equipas, a 06‑02‑2018, terminou com a vitória do Aves por (3‑0). Neste encontro o fator casa poderá ter um papel importante, já que ambas as equipas apresentam diferenças significativas nos resultados conquistados em casa e como visitante.


Análise do Boavista

Depois de 1 vitória, 1 empate e 4 derrotas, a equipa da casa está na 15ª posição, tendo conquistado 4 pontos. No último jogo, perdeu com o Rio Ave fora por (2‑1), depois de no jogo anterior ter perdido (1‑2) em casa, num jogo contra o Chaves. Esta é uma equipa afetada pelo fator casa, mais forte quando joga com o apoio dos seus adeptos, já que nos últimos 30 jogos regista 2 vitórias, 3 empates e 10 derrotas como visitante, com 12 golos marcados e 27 sofridos; contra 9 vitórias, 3 empates e 3 derrotas no seu estádio, com 21 golos marcados e 11 sofridos. Nos últimos 10 jogos em casa o Boavista regista 5 vitórias, 1 empate e 4 derrotas. A equipa permitiu golos ao adversário em 5 dos últimos 6 jogos, pelo que não tem apresentado grande solidez defensiva, mas o seu ataque tem marcado regularmente, já que conseguiu concretizar em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição.


O Boavista entra neste jogo desmotivado depois de um desaire forasteiro, por 2-1, na deslocação à arena do Rio Ave. O treinador caseiro deverá atuar num tradicional 4-3-3, onde os três jogadores mais avançados serão André Claro, Rafa Lopes e Rochinha. O interveniente responsável por definir e conduzir as investidas ofensivas do seu conjunto é o médio campista português Fábio Espinho, ex-jogador do Moreirense. Adivinha-se que o Boavista utilize, maioritariamente, o corredor esquerdo para criar perigo, com o objetivo de aproveitar a profundidade oferecida pelo defesa lateral Talocha. O treinador Jorge Simão não deverá poder contar com Yusupha Njie e Gabriel Nunes por se encontrarem lesionados. 

Onze titular confirmado: Helton Leite, Neris, Talocha, Gonçalo Cardoso, Carraça, David Simão, N. Obiora, Fábio Espinho, Matheus Índio, Rochinha, Rafael Lopes.

Treinador: Jorge Simão.


Análise do Aves

A equipa visitante está atualmente na 16ª posição, com 4 pontos conquistados, depois de 1 vitória, 1 empate e 4 derrotas. No penúltimo jogo, perdeu fora contra o Benfica por (2‑0). No último jogo, ganhou em casa contra o Portimonense por (3‑0). Esta é uma equipa mais forte quando joga no seu estádio, pois nos últimos 30 jogos regista 2 vitórias, 2 empates e 11 derrotas como visitante; contra 6 vitórias, 4 empates e 5 derrotas no seu estádio. Nos últimos 10 jogos como visitante o Aves ganhou 2, empatou 1 e perdeu 7. A equipa permitiu golos ao adversário em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição, pelo que não tem estado muito forte defensivamente. Em 9 jogos, apenas conseguiu 1 reviravolta nos 5 jogos em que sofreu o primeiro golo. Há 1 período em destaque nos últimos 6 encontros disputados como visitante para todas as competições: sofreu 4 dos seus 10 golos entre os minutos (61'‑75').


O Aves entra nesta ronda motivado depois de um triunfo caseiro, por 3-0, na receção ao Portimonense: Vítor Gomes alcançou o hattrick permitindo à sua turma conquistar os três pontos. O treinador do Aves deverá voltar a colocar a sua equipa num 4-4-2, com o objetivo de tentar aproveitar o contragolpe. Neste desenho os três intervenientes responsáveis por colocar em sentido a defensiva “inimiga” são Elhouni e Bruno Gomes. O treinador José Mota não vai poder contar com Bura, Fariña e Petrolina por se encontrarem lesionados. 

Onze titular confirmado: Q. Beunardeau, Diego Galo, I. El Adoua, Vitor, Rodrigo Alves, Baldé, Ponck, Ruben Oliveira, Vitor Gomes, Amilton, Bruno Gomes.

Treinador: José Mota.



SL Benfica vs FC Porto

Domingo 7, 17h30
O clássico é, como não podia deixar de ser, o jogo grande da jornada. Ambas as equipas venceram na jornada da Champions, embora o Benfica tenha passado por grandes dificuldades. Na jornada passada, os encarnados empataram e viram-se ultrapassados pelos azuis e brancos. Ambos sofreram também um revés: o Benfica tem Jardel lesionado e Conti suspenso, enquanto que o FC Porto perdeu Aboubakar por vários meses. O histórico recente é favorável aos dragões: nos últimos cinco confrontos, dois triunfos do Porto e três empates. O Benfica não vence o Porto na Luz desde 2014.


Benfica e Porto enfrentam‑se no Estádio do Sport Lisboa e Benfica (da Luz), num encontro para a 7ª jornada da Primeira Liga. O historial de confrontos diretos disputados neste estádio indica equilíbrio entre estas duas equipas, já que houve 2 empates e 2 vitórias para cada equipa nos últimos 6 jogos. Contudo, no último confronto neste estádio, num jogo para a Primeira Liga, a 15‑04‑2018, o Porto venceu por (0‑1). H. Herrera (90' ) marcou o único golo do jogo. É necessário analisar com atenção especial a condição casa/fora, pois o Benfica apresenta resultados diferentes em casa e fora.


Análise do Benfica

A equipa da casa está atualmente na 3ª posição, com 14 pontos conquistados, depois de 4 vitórias e 2 empates. No penúltimo jogo, ganhou em casa contra o Aves por (2‑0). No último, empatou fora contra o Chaves por (2‑2). Esta é uma equipa que curiosamente tem sido mais forte fora do que em casa, pois nos últimos 30 jogos regista 10 vitórias e 5 empates como visitante; contra 8 vitórias, 3 empates e 4 derrotas no seu estádio. A equipa chega a este encontro depois de uma vitória fora com o AEK Atenas por (2‑3). Nos últimos 10 jogos disputados em casa para todas as competições, o Benfica ganhou 5, empatou 2 e perdeu 3. 


Para esta competição, não perdeu nenhum dos últimos 6 jogos. O seu ataque tem marcado com regularidade, já que marcou pelo menos um golo em cada um dos últimos 6 jogos para esta competição. Nos seus jogos em casa há uma tendência para haver golos, já que 52 dos seus últimos 61 jogos terminaram com Mais de 1,5 golos. Nos 15 jogos que disputou, apenas conseguiu 1 reviravolta nos 4 jogos em que sofreu o primeiro golo. Há 1 período em destaque nos últimos 10 encontros disputados em casa para todas as competições: sofreu 5 dos seus 11 golos entre os minutos (76'‑90').

O Benfica entra neste encontro motivado depois de um triunfo forasteiro, por 2-3, na visita ao terreno do AEK, a contar para a Liga dos Campeões: Seferovic, Grimaldo e Alfa Semedo. O emblema caseiro costuma atuar num 4-3-3, onde os três intervenientes que têm como missão lançar o pânico na defensiva adversária são Salvio, Seferovic e Cervi. O meio campo deverá ser ocupado por Pizzi, Fejsa e Gedson Fernandes. O treinador dos caseiros não vai poder contar com João Félix, Krovinovic, Gabriel, Ebuehi e Jardel por se encontrarem lesionados. O defesa central Conti também vai estar de fora por se encontrar castigado. 

Onze titular confirmado: O. Vlachodimos, C. Lema, André Almeida, Rúben Dias, Álex Grimaldo, E. Salvio, Pizzi, F. Cervi, L. Fejsa, Gabriel, H. Seferović.

Treinador: Rui Vitória.


Análise do FC Porto

A equipa visitante está atualmente na 2ª posição, com 15 pontos conquistados, depois de 5 vitórias e 1 derrota. No penúltimo jogo, ganhou fora contra o Vitória de Setúbal por (0‑2). No último jogo, ganhou em casa contra o Tondela por (1‑0). Esta é uma equipa pouco afetada pelo fator casa, isto é, apresenta resultados semelhantes em casa e fora, já que nos últimos 30 jogos regista 8 vitórias, 3 empates e 4 derrotas como visitante, com um total de 22 golos marcados e 11 sofridos; contra 11 vitórias, 2 empates e 2 derrotas no seu estádio, com um total de 34 golos marcados e 13 sofridos. No último jogo que disputou, para a UEFA Champions League, ganhou ao Galatasaray em casa por (1‑0). Nos últimos 10 jogos como visitante o Porto ganhou 5, empatou 1 e perdeu 4. O seu ataque tem marcado com grande regularidade, já que marcou sempre pelo menos um golo nos últimos 6 jogos para esta competição. Esta é uma equipa que marca muitas vezes primeiro: abriu o marcador em 8 dos seus últimos 10 jogos, desses 8 chegou ao intervalo em vantagem em 5 e conseguiu manter a vantagem até ao final dos 90’ em 6.


O Porto entra neste embate motivado depois de um triunfo caseiro, por 1-0, na receção ao Galatasaray, a valer para a Liga dos Campeões: Marega, ao minuto 49’, marcou aquele que viria a ser o único golo do jogo. O clube forasteiro costuma atuar num sistema tático em 4-3-3, tal como o “inimigo” desta jornada, onde os três homens mais avançados são Brahimi, Corona e Marega, com destaque para o último que se encontra numa excelente forma. Na zona central do terreno é possível que atuem Danilo Pereira, Herrera e Otávio. O treinador forasteiro não vai poder contar com Aboubakar, Bazoer e Mbemba por se encontrarem lesionados. 

Onze titular confirmado: Casillas, Éder Militão, M. Pereira, Felipe, Alex Telles, Otavinho, H. Herrera, Danilo Pereira, M. Marega, Tiquinho, Y. Brahimi.

Treinador: Sérgio Conceição.



Portimonense vs Sporting CP

Domingo 7, 20h00
A jornada encerra com aquele que é, na teoria, o confronto mais desequilibrado da jornada. O Portimonense, do lote dos piores com apenas 4 pontos, recebe o Sporting. Curiosamente, contudo, o Portimonense tem o mesmo registo em casa que o Sporting fora: uma vitória, um empate e uma derrota. Os últimos confrontos dão o mote: quatro vitórias do Sporting, uma do Portimonense (esta na Taça da Liga). Os leões são claramente favoritos contra a frágil equipa Algarvia.


Portimonense e Sporting enfrentam‑se no Estádio do Portimonense SC, num encontro para a 7ª jornada da Primeira Liga. O registo de confrontos diretos recentes favorece a equipa visitante, que nos últimos 3 jogos ganhou 2 e perdeu 1. O anterior confronto direto entre estas duas equipas, a 28‑04‑2018, terminou com a vitória do Sporting por (1‑2). Neste encontro o fator casa poderá ter um papel decisivo, pois o Sporting tem apresentado diferenças de rendimento nos seus jogos em casa e como visitante.


Análise do Portimonense

Depois de 1 vitória, 1 empate e 4 derrotas, a equipa da casa está na 17ª posição, tendo conquistado 4 pontos. No último jogo, perdeu com o Aves fora por (3‑0), depois de no jogo anterior ter ganho (3‑2) em casa, num jogo contra o Guimarães. Esta é uma equipa pouco afetada pelo fator casa, isto é, apresenta resultados semelhantes em casa e fora, já que nos últimos 30 jogos regista 3 vitórias, 5 empates e 7 derrotas como visitante, com 22 golos marcados e 26 sofridos; contra 6 vitórias, 2 empates e 7 derrotas no seu estádio, com 24 golos marcados e 29 sofridos. Nos últimos 10 jogos disputados em casa para todas as competições, o Portimonense ganhou 4, empatou 1 e perdeu 5. A equipa não tem estado muito forte defensivamente, pois sofreu sempre golos nos últimos 6 jogos que disputou nesta competição. Há 1 período em destaque nos últimos 5 encontros disputados em casa para todas as competições: sofreu 3 dos seus 8 golos entre os minutos (76'‑90').


O Portimonense entra neste encontro desmotivado depois de uma derrota forasteira, por 3-0, na deslocação à arena do Aves. O conjunto da casa apresenta menos argumentos individuais para esta partida, assim, mesmo atuando dentro de portas, adivinha-se que adote uma postura mais defensiva. O Portimonense costuma utilizar um sistema tático em 4-3-3, privilegiando as transições rápidas. Neste desenho, os três intervenientes da frente são Nakajima, Tabata e João Carlos. O técnico António Folha não vai poder contar com Jadson por se encontrar lesionado. 

Onze titular confirmado: Leonardo, Lucas, Tormena, Ruben Fernandes, Bruno Tabata, Paulinho, Wilson Manafá, Lucas Fernandes, Pedro Sá, S. Nakajima, J. Martínez.


Análise do Sporting

A equipa visitante está atualmente na 4ª posição, com 13 pontos conquistados, depois de 4 vitórias, 1 empate e 1 derrota. No penúltimo jogo, perdeu fora contra o Braga por (1‑0). No último jogo, ganhou em casa contra o Marítimo por (2‑0). Esta é uma equipa mais forte quando joga no seu estádio, pois nos últimos 30 jogos regista 7 vitórias, 1 empate e 7 derrotas como visitante; contra 12 vitórias e 3 empates no seu estádio. No último jogo que disputou, para a UEFA Europa League, ganhou ao Vorskla Poltava fora por (1‑2). Nos últimos 10 jogos como visitante o Sporting ganhou 6, empatou 1 e perdeu 3. O seu ataque tem marcado com regularidade, já que marcou golos em 5 dos últimos 6 jogos para esta competição. Nos últimos 5 jogos fora para todas as competições há 1 período que se destaca: marcou 3 dos seus 6 golos entre os minutos (76'‑90').


O Sporting entra nesta atuação motivado depois de uma vitória forasteira, por 1-2, na visita ao terreno do Poltava, a contar para a Liga Europa: Montero e Jovane Cabral carimbaram os “tentos” da vitória. Adivinha-se que o Sporting volte a atuar no seu habitual 4-3-3, onde os três intervenientes responsáveis por lançar o pânico na defensiva adversária serão Raphinha, Fredy Montero e Nani. O clube leonino está consciente da qualidade do “inimigo”, porém, espera contar com a boa forma de alguns dos seus intervenientes, principalmente Fredy Montero, para conquistar um bom resultado. O técnico José Peseiro não vai poder contar com Bas Dost, Bruno César, Sturaro, Battaglia e Mathieu por se encontrarem lesionados. 

Onze titular confirmado: R. Salin, S. Coates, S. Ristovski, André Pinto, Bruno Fernandes, N. Gudelj, R. Battaglia, M. Acuña, Raphinha, F. Montero, Jovane Cabral.

Treinador: José Peseiro.